sexta-feira, agosto 28, 2009

Fotogenia


Então, para ajudar a promover o lançamento do livro de poemas do meu colega Nílson Galvão, eu recomendei o evento em uma publicação interna do trabalho que sairá na próxima semana. De quebra virei garota-propaganda, com direito a foto e tudo.

E essa é a parte chata da história: fotografia. Porque mais ou menos desde que eu deixei de me parecer com um bebê fofinho, conto nos dedos as imagens de mim em que eu não lembre vagamente uma besta fera.

Ok, foi exagero. Talvez na maioria das fotos eu esteja mesmo com cara de quem pegou uma séria doença infecto-contagiosa. Ou mesmo, pra ser factual, talvez eu pareça a personificação da gripe suína – como na foto em que, com seis anos, eu apareço de braços abertos, boca aberta e narinas assustadoramente dilatadas.

A menina entrou na sala e apontou o revólver, digo, a câmera, para mim, não sem antes perguntar se eu não iria me arrumar um pouquinho. Quase que eu digo “não adianta não, menina”, mas ao invés, chamei minha colega, que passou rímel nos meus cílios de abano e tanta sombra em pó nas pálpebras que, se pingasse uma gota d’água, aquilo viraria a mais forte argamassa e nunca mais eu abriria esses lindos olhos de novo.

Pronto, pronta. Luxo!, diria minha amiga. A fotógrafa só pediu que eu encostasse na parede. “Vai ser uma 3x4, sorria”, ela disse.

Ao final de cinco cliques, posso dizer que tínhamos prontas: uma foto para a propaganda da OMS sobre os níveis de alerta da nova gripe, uma sobre os efeitos de alimentação junkie + vida sedentária, a foto do “antes” para o próximo programa “10 anos mais jovem”, uma pra campanha de vacina contra febre amarela e, como decretou a mesma colega que me maquiou, um poderoso espanta-mosquitos!

3 comentários:

paula disse...

vc é ótima jô.
hehehe

Nílson disse...

Joana besta fera: essa foi a melhor do ano! Mas valeu pela força, parte da festa teve a ver com a garota-propaganda!

Nyala disse...

velho, eu não me dou com vc! tava mesmo precisando passear pelo "La vie en close" outra vez. Já nem me lembraba de como era bom passar por aqui. E já não admito mais te ouvir dizer, com essa modéstia hipócrita: "eu não escrevo tão bem assim".
Sou fã mesmo. De tietar.